Heroína - Tratamento para Dependentes Químicos

A heroína é uma droga derivada da papoula, sintetizada a partir da morfina: substância bastante utilizada no século XIX pelas suas propriedades analgésicas e antidiarreicas. Como outras drogas originárias desta planta, a heroína atua sobre receptores cerebrais específicos, provocando um funcionamento mais brando do sistema nervoso e respiratório.

Descoberta sua potencialidade em causar dependência química e psíquica de forma bastante rápida, sua comercialização foi proibida na década de vinte. Entretanto, principalmente no sudeste asiático e Europa, essa substância é produzida e distribuída para todo o mundo clandestinamente. Apresentando-se em sua forma pura como um pó branco de coloração esbranquiçada, é utilizada mais frequentemente de forma injetável, após aquecimento.

Além disso, alguns usuários a inalam ou aspiram. Seus efeitos duram aproximadamente cinco horas, proporcionando sensações de bem-estar, euforia e prazer; elevação da autoestima e diminuição do desânimo, dor e ansiedade.

Como esta droga desenvolve dependência e tolerância de forma bastante rápida, o usuário passa a consumi-la com mais frequência com o intuito de buscar o mesmo bem-estar provocado anteriormente, e também de fugir das sensações provocadas pela abstinência. Essa, que surge aproximadamente vinte e quatro horas após seu uso, pode provocar diarreia, náuseas, vômitos, dores musculares, pânico, insônia, inquietação e taquicardia.

Assim, formas de obtê-la passam a ser o foco de suas vidas, gerando consequências sérias. Constantes vômitos, diarreias e fortes dores abdominais, perda de peso, depressão, abortos espontâneos, surdez, delírio, descompassos cardíacos, incapacidade de concentração, depressão do ciclo respiratório, colapso dos vasos sanguíneos; além de problemas relacionados às interações sociais e familiares são algumas consequências que o usuário está sujeito, em médio prazo.

Além disso, no caso de pessoas que a utilizam na forma injetável, há chances de ocorrer necrose de tecidos e de se adquirir diversas doenças, como AIDS, hepatites e pneumonias, em decorrência da utilização de seringas compartilhadas. A maioria dos casos de morte por overdose é consequência de paradas respiratórias decorrentes de seu uso prolongado, ou de uso concomitante com outras drogas.


Fonte: Brasil Escola

 

Enquanto tiver forças, lutarei! E quando não existir mais forças lutarei sem elas.

Convênios para internação do dependente químico

Descontos para clientes conveniados dos principais planos de saude. Outros planos entre em contato Convênios para internação do dependente químico
Copyright © 2014 Clínica de Recuperaçãoo. Todos direitos reservados.
Site produzido por: SITESP.NET

clinica de reabilitação em são paulo sp, dependencia quimica, tratamento crack, clinica de reabilitação, recuperaçao de drogados, recuperação drogas, reabilitação drogas, reabilitação drogas em são paulo, dependencia química são paulo, clinica de recuperacao em sp, clinica de dependentes quimicos,clinica drogas,tratamento involuntario, recuperação de drogados, clinica involuntaria, tratamento contra o crack, crack tratamento, tratamento de alcoolismo, tratamento dependencia quimica